Perto de 600 milhões de crianças irão viver em zonas com acesso extremamente limitado a recursos de água em 2040

As crianças serão as mais afectadas pelas alterações climáticas
que agravam a actual crise de água


Cerca de 600 milhões de crianças, ou seja, 1 em cada 4, estarão a viver em 2040 em zonas nas quais a procura de água excede largamente os recursos disponíveis, de acordo um novo relatório da UNICEF lançado no Dia Mundial da Água, que se assinala todos os anos a 22 de Março.

Thirsting for a Future: Water and children in a changing climate (Sedentos de um futuro: A água e as crianças num clima em mudança), faz uma análise às ameaças para a vida e o bem--estar das crianças causadas pela escassez de fontes de água em condições e o modo como as alterações climáticas irão agravar estes riscos nos próximos anos.

Actualmente, 37 países enfrentam actualmente níveis de stress hídrico extremamente elevados, situação que ocorre quando mais de 80 por cento da água disponível para a agricultura, indústria e uso doméstico se esgota anualmente. O aumento das temperaturas, a subida dos níveis do mar, o número cada vez maior de cheias, secas e o degelo podem afectar a qualidade e a quantidade de água disponível.

O crescimento da população, o aumento do consumo de água e da procura deste recurso, em grade medida devido à industrialização e à urbanização, estão a esgotar os recursos hídricos ao nível mundial. Os conflitos em muitas zonas do globo ameaçam também o acesso das crianças à água para beber.

Todos estes factores obrigam as crianças a recorrer a água imprópria contaminada, expondo- as a doenças que podem ser mortais como a cólera ou a diarreia. Muitas crianças em zonas afectadas por secas gastam várias horas por dia a ir buscar água, o que as priva da possibilidade de irem à escola. As raparigas são especialmente vulneráveis a assaltos nesses percursos.

As crianças mais pobres e mais vulneráveis são as que mais irão sofrer com o aumento do stress hídrico, dado que muitas delas, milhões, já vivem actualmente em zonas com acesso reduzido a água segura e saneamento.

Destaques

• 260 milhões de crianças vivem actualmente em zonas onde o risco de cheias é extremamente elevado e a defecação ao ar livre uma prática generalizada, ameaçando contaminar fontes de água com dejectos humanos;

• Mais de 800 crianças menores de cinco anos morrem diariamente de diarreia associada às condições muito precárias da água, saneamento e higiene;

• A nível global, as mulheres e as raparigas gastam 200 milhões de horas diárias a recolher água.

O impacto das alterações climáticas sobre os recursos hídricos não é inevitável.

A publicação faz ainda uma série de recomendações que podem ajudar reduzir o impacto das alterações climáticas na vida das crianças. Consulte o relatório aqui.  


“A água é essencial; sem ela nada pode crescer. Mas há no mundo milhões de crianças que não tem acesso a água segura – o que põe em perigo as suas vidas, prejudica a sua saúde, e compromete o seu futuro. Esta crise será cada vez maior, salvo se agirmos agora de forma colectiva.”
Anthony Lake, Director Executivo da UNICEF


Leia o relatório – Thirsting for a Future: Water and children in a changing climate Sumário Executivo disponível em Inglês, Espanhol e Francês


Leia também os outros dois relatórios desta série (em inglês)



   
Galeria de imagens
Legenda: © UNICEF